Sunday, April 7, 2019

Minha "auto-empresa" de Day Trade - A trajetória de um aspirante a Day Trader #03

Aqui vou explicar de maneira geral como tenho me organizado pessoalmente para lidar com as operações de Day Trade:


Contas abertas

Tenho a princípio para a "empresa" 3 alocações :
- Conta de Giro: a própria conta na corretora onde realizo as operações.
- Conta Corrente / CDB: Onde ficam(rão) valores reservados para reinvestimento no trade, desde melhora em equipamentos, recursos e cursos a valores para subsidiar futuros aumentos na "mão" de operação (este valores são separados dentro de aplicações diferentes nesta mesma conta).
- Conta de Pró-Labore/Benefícios: Será onde a parte do lucro que ficará para meus gastos pessoais irá - será a conta que acomodará meu salário e uma espécie de "Vale Alimentação" que pretendo manter separado devido ao costume que tenho com minha renda atual, mas que certamente mudará ao longo do tempo.
No caso dessa terceira conta, ficará obviamente sem movimentação até que eu reponha perdas anteriores e por conta disso minha renda pessoal virá obrigatoriamente de uma outra fonte de renda até que eu consiga ao menos manter os rendimentos que tenho atualmente com meu emprego por 6 meses a 1 ano consistentemente e já descontados todos os reinvestimentos na "empresa".


Gerenciamento de Saldos

Minha ideia é manter um saldo de  2000,00 como capital de giro para os trades diários, o que passa desse valor em conta é, no final do dia, transferido para a C/C da "empresa" e daí é colocado em aplicações conforme percentuais que defini para reinvestimento, compra de materiais, cursos, etc... tudo isso bem flexível conforme as entradas e saídas necessárias.


Dividas, empréstimos e reposições

Tenho um controle de todo valor que coloquei no Day Trade para possível devolução posterior sendo considerado esses valores como "Empréstimos" para abertura da "empresa".
Nesta categoria ainda entram valores de tarifas/ juros que eu venha a ter pago por ocasião de transferências não planejadas e também valores pagos em cursos e alguns poucos equipamentos adicionais que precisei para meu computador por conta do trade. Valores pagos para plataformas de operação e simulação (que não foram já pagos pelo trade em si).
Também incluo aqui um percentual de custo de oportunidade de acordo com os rendimentos reais médios mensais que tive com a Renda Fixa aplicados aos valores "devidos" à Pessoa Física.


Planilhas de controle - operações e diário

Junto a esse esquema mais "macro" faço controle diário das operações e dos custos verificando os papéis em que tenho performado melhor e analisando percentualmente os resultados trade a trade e por período diário, semanal e mensal.


Alterações Futuras

Como disse anteriormente, esse esquema todo é passível de alterações conforme os resultados dos trades fiquem realmente consistentes e eu veja necessidade de fazer algum controle diferente ou mesmo eliminar alguma parte dessa estrutura.


Por hora é assim que tenho lidado com o trade e embora tenha ainda, no quadro geral, resultados negativos, o meu operacional tem evoluído aos poucos e conforme mais conhecimento é agregado vou melhorando na seleção de trades melhores e melhorando tanto em operações mais longas  (cheguei a conseguir 1200 pontos de índice em um único trade de mini-índice e 35 pontos no mini-dólar. (meus recordes atuais). Mas não tenho me arriscado tanto ainda em trades longos com Índice e Dólar cheio onde tenho máximas de 20 pontos e 5 pontos respectivamente.

Até a próxima!

K.T.

No comments:

Post a Comment